Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]


18 de Setembro

18.09.21

(...)

Os limites da consciência são anulados pela meditação; ela destrói o processo do pensar e sentir, urdido pelo pensamento. O método, a recompensa e as promessas deformam e debilitam aquela força misteriosa. Abundante energia é libertada pela meditação, mas ela é deformada e destruída mediante o controle, a disciplina e a repressão. A meditação é a chama que arde sem formar cinzas. As palavras, o sentimento, o pensamento, sempre deixam resíduos e o mundo vive das cinzas do passado. Meditar é viver em perigo, pois nada escapa àquela destruição, nem mesmo o mais leve frémito do desejo; e é da amplidão insondável desse vazio que surgem o amor e a criação.

A mutação da consciência não vem através da análise. É impossível transformá-la através do esforço, que gera o conflito, e que, portanto, fortalece o núcleo da consciência. Por mais lógico e equilibrado que seja, o raciocínio não conduz à libertação da consciência, pois é uma ideia formada pela influência, experiência e conhecimento, todos produtos da própria consciência. Constatar a falsidade dessas ideias e conceitos com a consequente rejeição do falso torna a consciência vazia. A verdade não tem oposto, tão-pouco o amor; a verdade surge da rejeição dos opostos. A autêntica rejeição não nasce da esperança ou da ânsia de realização. Livre do desejo de reconhecimento, a renúncia não admite recompensa ou barganha. Libertar-se da tradição é negar o falso conceito dos opostos, a falsa autoridade do ajustamento, do conformismo, da imitação, da experiência e do conhecimento.

Negar é estar só, livre de influência, da tradição, da carência psicológica, do apego, da dependência. Estar só é negar o condicionamento e o passado conteúdo da consciência. Observar sem discriminar e a renúncia ao condicionamento conduzem à solidão, que não é isolamento ou actividade egocêntrica. Tão-pouco significa a fuga da existência. Pelo contrário, é a libertação total do sofrimento e do conflito, do medo e da morte. Esta solidão é a própria mutação da consciência, a completa transformação daquilo que foi. Ela é o vazio e a ausência do ser e do não-ser. A mente se renova, a cada instante, na chama desse vazio. Apenas à mente vulnerável é acessível o infinito, em que da destruição surge o novo, a criação e o amor.

Krishnamurti, Diário de Krishnamurti

Autoria e outros dados (tags, etc)




Arquivo

  1. 2022
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2021
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2020
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2019
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2018
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2017
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2016
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2015
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2014
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D

Mais sobre mim

foto do autor