Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]


19 de Agosto

21.07.21

(...)

As sombras são mais vivas do que a realidade; mais longas, mais profundas e ricas; parecem ter vida própria, independente e protectora; mostram-se sempre acolhedoras. O símbolo torna-se mais importante do que a realidade; proporciona segurança; é fácil encontrar conforto no seu abrigo. Não importa o que se faça, ele jamais contradiz, nem se altera; tanto faz coroá-lo ou cobri-lo de cinzas. Extraímos enorme satisfação de coisas mortas, de um quadro, de uma conclusão, de uma palavra. Apesar de estarem mortos exalam perfumes que nos dão imenso prazer. O cérebro é sempre o dia de ontem, e o presente é a sombra do dia anterior, que se prolonga até o dia seguinte, um tanto alterada, mas conservando o ranço do passado. Portanto, o cérebro vive envolto em sombras, o que é mais seguro e confortador.

A consciência está sempre recebendo, acumulando, interpretando o que armazena; ela não pára de absorver por todos os poros; de acumular, de experimentar o que colheu, de julgar, compilar, modificar. Ela não só vê com os olhos, com o cérebro, mas também com todo esse manancial de informações e conhecimentos. A consciência faz do acto de receber a própria razão da sua existência. Guarda, nos seus íntimos e ocultos recessos, tudo aquilo que absorveu ao longo dos séculos — os instintos, as memórias, as defesas — sempre acumulando, ou rejeitando, com o intuito de acumular mais. Ao voltar-se para o mundo exterior, ela o faz para avaliar, comparar ou receber. E, dirigindo-se ao interior, fá-lo com aquela mesma visão exterior, que pesa, que compara e recebe; o despojamento interior não deixa de ser uma forma de acumular. E não tem fim esse processo limitado pelo tempo, em que há um misto de dor, de fugaz alegria e sofrimento.

Mas, observar, ver e escutar sem a interferência desta consciência uma acção que não visa receber — faz parte do movimento global da liberdade. Esta acção não tem um ponto de partida, e, portanto, age em todas as direcções, sem a barreira do tempo-espaço. É completo o seu acto de escutar e de ver. Disso nasce a atenção. A atenção abrange todas as distrações. Só na concentração há o conflito criado pela distração. Expresso ou não, verbalizado ou buscando uma expressão, o pensamento é a totalidade da consciência; o eterno binómio pensamento-sentimento e vice-versa. 0 pensamento nunca está quieto; a reacção que se exprime nas formas de pensamento, intensifica o processo da reacção. A beleza é a sensação expressa pelo pensar. O amor, igualmente, pertence ao campo do pensamento. E existirá amor e beleza dentro dos limites do pensamento? Haverá beleza enquanto o pensamento funciona? A beleza, o amor que ele conhece é o oposto da feiura e do ódio. Mas, a beleza, tal como o amor, não tem oposto.

Ver sem a interferência do pensamento ou da palavra, sem a reacção da memória, difere totalmente do “ver” baseado no pensamento e na sensação. É superficial o que se vê com o pensamento. Ver sem o pensar é visão integral. Contemplar uma nuvem sobre a montanha, sem o pensamento e suas reacções, é o milagre do “novo”; e isto não exprime beleza, porém é imensamente explosivo; um fenómeno único, que jamais existiu e que jamais se repetirá. Para ver e ouvir, a consciência deve aquietar-se, condição essencial para a avassaladora criação. Isto é a totalidade da vida, não o fragmento do pensamento. Não existe beleza, mas simplesmente uma nuvem sobre a montanha; e é isto criação.

Extasiava a beleza dos picos da serra, iluminados pelo ocaso, diante daquela terra tão imóvel. Só a cor existia, não diferentes coloridos; só existia o acto de escutar, não uma variedade de sons.

Ao acordarmos tarde, esta manhã, quando o sol acossava os montes, notámos aquela abençoada presença, que, como uma brilhante luz, parecia conter força e energia próprias. Assim como o murmúrio de águas distantes, percebia-se uma intensa actividade, não do cérebro, com seus desejos e frustrações, mas da própria paixão.

(...)

Krishnamurti, Diário de Krishnamurti

Autoria e outros dados (tags, etc)




Arquivo

  1. 2022
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2021
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2020
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2019
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2018
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2017
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2016
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2015
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2014
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D

Mais sobre mim

foto do autor