Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]


19 de Setembro

19.09.21

Existirá o futuro? Conhecemos a rotina do futuro planeado; das obrigações e tarefas a serem executadas posteriormente. Esses planos podem vir a ser alterados, modificados ou até mesmo esquecidos, mas o futuro permanece como um facto incontestável. Existe a distância entre dois pontos no espaço, entre o próximo e o distante; a distância em quilómetros; o espaço entre os seres; o veloz movimento do pensamento; a outra margem do rio e a lua distante. Há o tempo necessário para se percorrer um espaço, uma distância, e o tempo preciso para se cruzar o rio; para nos deslocarmos de um ponto a outro, o tempo é necessário, seja de um minuto, um dia, ou um ano. Esse é o tempo cronológico, tempo como meio de atingir um objectivo físico. Isto é óbvio e claro. Mas existirá um tempo futuro, completamente diferente deste tempo mecânico e cronológico? E, no plano psicológico, terá significado o tempo?

(...)

Existirá um ponto de chegada? Chegar significa viver no sofrimento e na sombra do medo. E haverá um ponto de chegada psicológica, uma meta a ser alcançada, um resultado a ser atingido? O pensamento estabelece um objectivo: deus, a bênção, o bom êxito, a virtude e tudo o mais. Mas, o pensamento é apenas a reacção da memória, que cria o tempo necessário para transpor a distância entre o que é e o que deveria ser. Este, por sua vez, é o ideal, mera questão teórica, sem nenhuma realidade. A verdade não depende do tempo, não tem nenhum objectivo por alcançar, nem distância a percorrer. O facto existe, e o mais é uma ficção. A verdade aparece quando se morre para o ideal, para as realizações, e para o objectivo, mera fuga do facto. O facto elimina o tempo e o espaço. E, então, existirá a morte? 0 que existe é o lento findar, a deterioração física, o desgaste orgânico que conduz à morte. Mas isto é tão inevitável quanto o desgaste da ponta do lápis. E será esta a causa do medo? Ou o que tememos é o findar do padrão de vida do vir-a-ser, do lucro, da realização? Este mundo nada vale; é o mundo da aparência e da fuga. O facto, aquilo que é, difere totalmente do que deveria ser. Este contém o tempo e a distância, o medo e a dor. O facto, o que é, resulta da morte do que deveria ser, onde já não há lugar para o futuro. O pensamento, criador do tempo, é impotente perante o facto e, incapaz de modificá-lo, luta para dele escapar; mas o facto sofre uma tremenda mutação ao cessar o movimento da fuga que determina a morte do pensamento, que é tempo. Na ausência do tempo e do pensamento existirá o facto, o que é? Aniquilando o tempo, o pensamento, quando já não existe movimento nem direcção, nem distância a percorrer, deparamos com a imobilidade do vazio. E nisto está a total destruição do tempo, do ontem, hoje e amanhã, da memória, da continuidade e do vir-a-ser.

Livre do tempo, resta apenas o presente imediato, a vida no agora. Dai nasce o estado de atenção fora dos limites do pensamento e do sentimento. As palavras e os símbolos, como instrumentos de comunicação, em si nada significam. A vida está sempre no presente; o tempo pertence tanto ao passado quanto ao futuro, e a morte do tempo exprime a vida no presente. Eis o que é a imortalidade, não a vida dentro dos limites da consciência. Esta é resultado e prisioneira do tempo. Quando o tempo deixa de existir, desaparece o sofrimento inerente ao processo do pensar e sentir.

Krishnamurti, Diário de Krishnamurti

Autoria e outros dados (tags, etc)




Arquivo

  1. 2022
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2021
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2020
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2019
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2018
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2017
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2016
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2015
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2014
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D

Mais sobre mim

foto do autor