Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]


Lealdade

06.12.20

Por um maquiavelismo mais de acordo com o século e os costumes do lugar ou por um impulso de humanidade que não tinham querido reconhecer o sectarismo que possivelmente nos perturba ou a nossa real ignorância de todo o giro dos fenómenos - resolveu o adversário lançar um apelo à nossa lealdade e nela confiar; embora sempre em guarda, mais abertamente ofereceu o flanco a um hábil, decidido golpe; um movimento generoso, sincero ou não, deixou-o mais desprotegido.
Que vamos nós fazer? Já quero supor que tudo nele seja cálculo e falso movimento; os antecedentes que conheço autorizam-me a levantar tal hipótese; naturalmente não merece de ninguém senão desprezo ou o tédio vingador. Agora, porém, não se trata de tal homem, mas de mim próprio; não são a sua fraqueza, a sua lealdade que estão em jogo, mas o que dessas qualidades existe na minha alma; o não acreditar no que ele afirma não me autoriza a enganá-lo; se aceito a sua oferta estou obrigado a avisá-lo de todas as minhas intenções.
Há dois motivos para que o faça, mesmo com a certeza de que no fim serei sacrificado. Um, move-se na esfera do geral e é o respeito pela própria ideia de lealdade que eu pretendo ver reproduzida na máquina do mundo; laço que me transcende, e me sujeita pelo que há em mim de espírito divino; o não ter eu contribuído, uma só vez que seja, por mais plausíveis que me pareçam as razões, para que se estampe no mundo o selo das ideias pode aniquilar todo o meu esforço de vogar às terras da justiça; devo fazê-lo sempre: a mesma derrota poderá servir de ascensão a muitos outros.
E, no que se refere ao indivíduo, tenho acima de tudo o dever de velar pela dignidade humana que em mim reside, não a manchando com uma traição; de esperar, também, que ainda seja possível salvar o outro; os peitos abertos desarmam em geral as mãos armadas; os maus piores retornam quando encontram à sua volta os fingimentos e as armadilhas; a superioridade pode vencer o inferior, mas na inferioridade é ele o rei; quero depois perguntar porque o acusam de perverso e dissimulado se quase ninguém tem sido como ele senão dissimulado e perverso; mostremos-lhe nós próprios o caminho: talvez nos siga.

Agostinho da Silva, Diário de Alcestes

Autoria e outros dados (tags, etc)



Arquivo

  1. 2022
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2021
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2020
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2019
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2018
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2017
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2016
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2015
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2014
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D

Mais sobre mim

foto do autor