Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]


12 de Janeiro

12.01.22

(...) Amar não é sofrer nem se debater no ciúme; é perigoso o amor que destrói, que aniquila as coisas construídas pelo homem, excepto os tijolos. Incapaz de erigir templos ou de reformar a podre sociedade, só por si o amor nada pode fazer; mas, sem ele, nada será feito. A automatização e os computadores podem alterar o rumo dos acontecimentos e proporcionar ao homem mais horas de lazer; e isso só irá aumentar o número de problemas que já o atormentam. O amor não acarreta problemas e é por isso que é tão perigoso amar. O homem vive de problemas, de questões intermináveis e sem solução; sem eles, não saberia o que fazer e sentir-se-ia perdido e lesado. Portanto, os problemas multiplicam-se sem cessar; ao resolver um deles, surge logo um outro e assim sucessivamente até sobrevir-lhe a morte e esta, é claro, a própria destruição; mas isto não é o amor. Com a morte, surge a velhice, a doença e uma série de problemas, que nenhum computador pode resolver. A destruição e a morte que daí advém diferem daquilo que surge com o amor. São meras cinzas de uma chama artificial ou o ruído de máquinas automáticas que funcionam sem parar. Não se pode separar o amor da morte e da criação; é impossível optar por um em detrimento dos outros; não podemos encontrá-lo no mercado ou na igreja, locais em que normalmente supomos consegui-lo. Mas, se não o procurarmos, se formos totalmente livres de problemas, pode ser, então, que desponte o amor.

Krishnamurti, Diário de Krishnamurti

Autoria e outros dados (tags, etc)

... Estranho e penetrante silêncio perpassava-nos o ser; isento de qualquer onda de movimento, ao caminharmos, dele fazíamos parte, sentíamos a sua presença a ponto de respirá-lo. Não que aquilo fosse um truque mental, não que o experimentássemos, mas o silêncio simplesmente existia e nós pertencíamos a ele. 0 pensamento apto a experimentar, lembrar, acumular, estava ausente. Não estávamos dele separados para observar e analisar. Era só o que existia, e nada mais. Cronologicamente, o tempo havia passado e já era tarde; o milagre do silêncio estendeu-se por cerca de meia hora, mas isto nada significava, pois o tempo não existia. E foi com ele que retornámos à penumbra do quarto, passando pelo antigo poço, pela aldeia e pela estreita ponte. Juntarnente com o silêncio veio aquela coisa singular e poderosa. O amor não é a palavra nem o sentimento; ele estava lá com a inabalável força e a fragilidade de um broto de árvore, facilmente destrutível. (...)

Krishnamurti, Diário de Krishnamurti

Autoria e outros dados (tags, etc)



Arquivo

  1. 2022
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2021
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2020
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2019
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2018
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2017
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2016
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2015
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2014
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D

Mais sobre mim

foto do autor