Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]


24 de Agosto

23.07.21

(...)

Manhã esplêndida; sol por toda a parte; a brisa a agitar a folhagem; tempo excelente para um passeio de carro, não muito demorado, mas que desse para se apreciar a beleza terrena. Manhã renovada pela morte,
não aquela produzida pela decadência, pela doença ou por um acidente, mas a morte que destrói dando lugar à criação. Nada se cria, enquanto a morte não varrer todas as coisas que o cérebro acumula para salvaguardar uma existência egocêntrica. Antes, a morte era uma nova forma de continuidade; estava associada às coisas que continuam. Com a morte, veio uma nova existência, uma nova experiência, um novo sopro de vida. O que era velho cessou e nasceu o novo, que, por sua vez, deu lugar a um outro novo. A morte era o meio de se chegar ao novo estado, à nova invenção, a uma nova maneira de viver, a um novo pensar. Fora uma mudança aterradora, porém essa própria mudança trouxe uma nova esperança.

Agora, todavia, a morte não trouxe nada de novo, um diferente horizonte, um outro alento. É a morte absoluta e final. E, então, nada existe, nem passado nem futuro. Nada. Coisa alguma está a nascer. Contudo, não existe desespero ou busca; é a morte completa, livre do tempo; a morte que contempla do profundo vazio do nada. É a morte  sem o velho e sem o novo. Despojada do sorriso ou da lágrima. Não é uma máscara a cobrir, a esconder alguma realidade. A realidade é a morte, e não é necessário ocultá-la. A morte tudo apagou, sem nada deixar. Este nada é a dança da folha, o grito da criança. Não é coisa nenhuma, e assim deve ser. O que continua exprime decadência, automatismo, hábito, ambição. Existe a corrupção, mas não a morte. A morte é o nada absoluto. Ela deve estar presente, porque é dela que desabrocha a vida, o amor. A criação existe neste vazio. Sem a morte total, não há criação.

Líamos algo, casualmente, e comentávamos sobre a situação do mundo, quando, de súbito, manifestou-se aquela bênção, inundando o quarto, como agora acontece frequentemente. Íamos começar a comer, quando ela penetrou pela porta aberta da saleta. De facto, podíamos senti-la, fisicamente, qual uma onda a invadir o quarto. Tratava-se de uma intensa e crescente energia, extraordinariamente forte e imóvel, de poder destruidor. As palavras não são a coisa, e a realidade é verbalmente inexprimível; ela deve ser vista, ouvida e vivida; o seu significado é, então, completamente diferente.

Krishnamurti, Diário de Krishnamurti

Autoria e outros dados (tags, etc)




Arquivo

  1. 2022
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2021
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2020
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2019
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2018
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2017
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2016
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2015
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2014
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D

Mais sobre mim

foto do autor