Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]


...

28.01.16

Sinto em mim essa sede insaciável que pretende absorver tudo que encontra no seu caminho. Considero os sofrimentos e alegrias dos outros somente em relação a mim,  como um alimento que mantém as forças da minha alma. Não sou capaz de me desorientar sob a influência da paixão. A ambição em mim é esmagada pelas circunstâncias, mas manifesta-se sob um outro aspecto, porque a ambição é somente a sede do poder e o meu primeiro prazer é submeter à minha vontade tudo o que me rodeia; suscitar à volta o sentimento de amor, da devoção e do medo, não será o primeiro indício, e o mais magnífico triunfo, para o domínio?

Ser para alguém causa de dor e d alegria, sem ter nenhum direto positivo a isso, não será o mais agradável alimento do nosso orgulho? Ora, que é a felicidade? O orgulho satisfeito. Se me considero a mim próprio como o melhor dos seres, o mais poderoso do mundo, sentir-me-ei feliz. Se todos pudessem amar-me, encontraria em mim próprio infinitas fontes de amor.

O mal gera o mal; o primeiro sofrimento leva a conceber o prazer de torturar outrem; a ideia do mal não pode entrar na cabeça dum homem sem que tenha vontade de a aplicar à realidade. Já disse alguém que as ideias são seres orgânicos: o seu nascimento dá-lhes já uma forma e essa forma é acção. O homem na cabeça do qual nascem mais ideias actua mais do que os outros. Eis porque um génio pregado a uma secretária de funcionário tem de morrer ou ficar doido; do mesmo modo, um homem de compleição vigorosa, se leva uma vida sedentária e actua moderadamente, morrerá dum ataque de apoplexia.

As paixões não são mais do que ideias no seu primeiro britar. Pertencem por direito próprio à juventude do coração e bem tolo é o que pensa ser movido por elas toda a sua vida: muitos risos serenos começam por cascatas ruidosas, mas nenhum salta ou faz espuma até ao mar. Essa calma, porém, é indício dema força enorme, embora oculta.

A plenitude e profundidade dos sentimentos e das ideias não são consentâneas com transportes excessivos. A alma, ao sofrer e gozar, dá rigorosamente conta de tudo e adquire a convicção de que deve ser assim. Sabe que em tempestades o ardor constante do sol a secaria; penetra-se da sua própria vida, anima-se e castiga-se a si própria como um menino muito querido. É somente quando atinge esse mais alto estado do conhecimento de si que o homem pode apreciar a justiça de Deus.

Mikail Lermontov, Um Herói do Nosso Tempo

Autoria e outros dados (tags, etc)


Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.




Arquivo

  1. 2022
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2021
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2020
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2019
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2018
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2017
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2016
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2015
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2014
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D

Mais sobre mim

foto do autor